fbpx

Desastres em Plataformas

211

Há trinta anos ocorreu o maior desastre da área offshore. Algumas histórias devem ser lembradas sempre e o aprendizado nunca deverá ser esquecido. Famílias e o planeta sofreram perdas irreparáveis. A vida offshore muitas vezes não é só sobre petróleo, e sim sobre lagrimas e sangue. Vamos falar sobre alguns acontecimentos marcantes.

1. Alexander Kielland (1980)

Alexander Kielland (1980)

A plataforma nomeada em homenagem a um escritor norueguês, localizada no campo de Ekofisk, Noruega, sofreu um grave acidente quando um dos principais braços horizontais de sustentação de sua estrutura se partiu, causando outras rupturas que deixaram a plataforma adernada num ângulo de 35º. Problemas na cadeia de comando e fracasso nas tentativas de lançar as baleeiras fizeram com que a maior parte dos trabalhadores não pudesse ser salva antes que a estrutura se quebrasse e a plataforma rolasse por completo. Dos 212 homens a bordo, 123 foram mortos.

2. Enchova (1984)

Enchova (1984)

O acidente na plataforma situada na Bacia de Campos deixou 37 mortos e 23 feridos. Uma explosão seguida de um grande incêndio foram provocados durante a perfuração de um poço de petróleo. Trabalhadores que tentavam escapar em uma baleeira ficaram presos quando um dos cabos de aço rompeu, infelizmente o outro cabo de aço também se rompeu e a embarcação despencou de 30 metros de altura. Equipamentos e procedimentos antigos, aliados a falta de preparação para controle de emergências da época, foram alguns dos motivos do desastre.

3. P-36 (2001)

P-36 (2001)

O acidente na maior plataforma de produção de petróleo em alto-mar da sua época. Duas explosões num tanque de óleo e gás foram responsáveis pela tragédia que, das 175 pessoas a bordo, matou 11, todos integrantes da equipe de emergência. A plataforma atingiu 16º de inclinação após o alagamento de parte do compartimento. Apesar das tentativas de aprumar a estrutura novamente, 5 dias depois a P-36 sucumbiu e naufragou, arrastando consigo um reservatório de 1500 toneladas de óleo. A conclusão foi que o acidente ocorreu devido à “não conformidade quanto a procedimentos operacionais, de manutenção e de projeto”.

4. Deepwater Horizon (2010)

Deepwater Horizon (2010)

O desastre ocorrido no Golfo do México foi o segundo maior da história de acidentes petrolíferos, perdendo apenas para a Guerra do Golfo, embora fosse o maior dos desastres acidentais em termos de liberação de petróleo. A plataforma pertencente à empresa Beyond Petroleum explodiu com 126 pessoas a bordo, afundando menos de 48 horas depois. 11 trabalhadores morreram. Por uma falha no sistema de segurança, a tampa do poço onde era extraído o petróleo ficou aberta. Ao todo, 206 milhões de galões foram liberados na água.

5. Piper Alpha (1988)

Piper Alpha (1988)

Piper Alpha foi o mais famoso desastre ocorrido em plataformas de petróleo. Operando no Mar do Norte, a mais de 220 quilômetros da costa da Escócia. Tudo aconteceu quando um vazamento de condensado de gás natural incendiou-se e causou uma grande explosão; uma segunda explosão, gerada pelo contínuo fornecimento de gás, engolfou então toda a plataforma. O agravante da situação foi o fato de a primeira explosão, que destruiu a sala de controle, ter provocado a morte da maior parte das pessoas que poderiam dar a ordem de evacuação aos trabalhadores, dificultando assim a rápida transmissão de informações e organização da retirada.

Além disso, a plataforma Tartan, próxima à Piper, permaneceu bombeando gás diretamente ao núcleo do fogo até a tubulação que ligava ambas se romper devido ao calor. Seus operários não possuíam autonomia para parar a produção, apesar de ver as chamas no horizonte. Então, era tarde demais. Uma embarcação especializada em combate ao fogo, Tharos, conseguiu aproximar-se da Piper, mas já não era possível impedir a destruição.

As causas do acidente foram o antiquado sistema de ordens de serviço, que também não foi seguido com rigidez, falhas em alguns sistemas de segurança, rotas de fuga que não eram bem conhecidas pelo pessoal (muitos que não encontraram as embarcações salva-vidas saltaram no mar), falta de treinamento e falhas de segurança no projeto de construção da plataforma. O resultado: 167 pessoas morreram, a maioria sufocada pela fumaça, e apenas 62 trabalhadores sobreviveram.

Cada uma desses desastres e muitos outro merecem uma matéria. Comentem e ajudem o site com sua opinião.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.